05/12/16

VI — Fonética (parte 5)

Olá, meus queridos! Eu sei! Eu sei! Eu desapareci com o gramatiquês aqui do blog, mas isto tem um nome: "estágio supervisionado" — ou seja: sem tempo quase nem para namorar. Mas agora estou de volta!

Por isso, sem enrolação, vamos ao que interessa: gramática!

VI
Fonética (parte 5)
Notações léxicas (introdução)



Como já disse várias vezes aqui, utilizo duas gramáticas para compor meus posts: CEGALLA (2008) e DUARTE (2000). Não raro, elas divergem quanto a ordem em que os conteúdos são apresentados, fazendo-me optar por uma delas ("Ó, dúvida cruel!").

24/11/16

Antes da Missa do Galo


O que pode significar uma simples ia ao banheiro? Para Júlio, um rapaz na casa dos treze para os quatorze anos de vida, uma experiência inesquecível...

26/10/16

Escritor ao vento

Sou um livre escravo da noite escura.
Um novo amante entre amargurados,
Livre de qualquer amargura,
Novo poeta entre velhos escravos.

Sou um apaixonado à moda antiga.
Um alguém que não segue seu tempo.
Uma pessoa de muito talento
E que, ao amor, protege e abriga.

Sou só um simples poeta que tenta
Brincar, fazer arte com palavras.
Um daqueles que moda, inventa.

Sou daqueles jogado ao relento
Um daqueles sem muito lamento
Este sou eu, o Escritor ao Vento.

25/10/16

O ingênuo

De quatro em quatro anos, os eleitores brasileiros são compelidos a irem às urnas eleger seus representantes: prefeitos, vereadores, governadores, deputados, senadores e presidente da república. De quatro em quatro anos, os derrotados, sejam eles de qual lado forem, bradam o mesmo discurso: "O Brasil não sabe votar".

Na última eleição presidencial, uma das mais acirradas da jovem democracia tupiniquim, o país viu-se dividido: por todos os lados amizades eram desfeitas, parentes brigando entre si e, principalmente, os derrotados gritando que o resultado das urnas era reflexo da falta de educação e bom senso dos cidadãos. Nas últimas eleições municipais, o mesmo discurso fez-se presente, agora com o acréscimo da falta de gratidão do brasileiro para com seus benfeitores.

14/10/16

The Call of the Mountais (Tradução)

Olá leitores, olá leitoras! Mais uma vez em primeiríssima pessoa aqui para vos trazer a tradução da música The Call of the Mountains, da banda suíça Eluveitie — esta banda que traz, em seu site, a seguinte definição: "a nova onda do Folk Metal".

Para minha surpresa, esta mesma música possui várias versões, entre elas em francês e em italiano. Infelizmente o bom e velho português ficou de fora (fazer o quê?).

Por isso, sem mais demoras, vamos à música e, claro, à tradução. Não é pouco lembrar que, qualquer dúvida ou mesmo correção, os comentários estão aí para isso. Até mais =D


The Call of the Mountais

10/10/16

O professor

Edvaldo é um daqueles sujeitos de boa índole e cheios de ideais. Formara-se professor porque acreditava piamente na educação como forma de melhorar a sociedade e tornar todos iguais — mesmo sob protestos de sua velha mãe, que sonhava com um filho advogado ou até mesmo médico.

30/09/16

Direito de não votar



A democracia é o sistema de governo em que quem manda é o povo por meio de representantes. Em outras palavras, de tempos em tempos os cidadãos são chamados às urnas para, por meio do voto, escolherem aqueles que administrarão a cidade, o estado ou mesmo o país. É este o atual sistema adotado pelo Brasil.

13/09/16

Hoje

Imagem obtida na internet. O link dela está disponível aqui.

Hoje não quero sair
Hoje eu quero ficar em casa.

Hoje não quero nem sair da cama
Hoje eu quero só dormir.

Hoje tornar-se-á amanhã
Amanhã tornar-se-á ontem

Hoje queria que fosse ontem
Porque hoje vi você partir.

03/09/16

O corpo na calçada

Em meio à chuva, estirado na calçada, um corpo coberto por papelão e um fino lençol sujo. Ao seu lado, o fiel amigo de quatro patas dormia encolhido pelo frio.

26/08/16

Deveres

Eu deveria estar a fazer questões para enviar às professoras da escola onde faço estágio de Língua Portuguesa, mas estou aqui. Já li e reli os textos diversas vezes, pensando e avaliando o que pode ser extraído deles; o que posso perguntar a respeito deles. Os três discursam a respeito do assalto sofrido pelo apresentador Luciano Huck, há um tempo: o primeiro é justamente o desabafo do apresentador enviado ao jornal Folha Uol (a versão online do jornal Folha de São Paulo), o segundo, uma crônica pelo ponto de vista dos assaltantes e, a terceira, uma carta aberta falando sobre o desabafo e sobre a crônica. Um tema, três textos, três visões diferentes.