The Kissing Booth — A Barraca do Beijo

Olá, gente linda deste humilde blog!

Hoje vim falar de um filme fresquinho, quase saído do forno e que vale muito a pena ser visto, principalmente "com aquela pessoa especial".

Pelo título, já dá para ter uma ideia de que irei comentar a respeito do filme "The Kissing Booth" (ou A Barraca do Beijo tanto no Brasil quanto em Portugal).

Então, sem mais demoras, vamos ao que interessa!

The Kissing Booth



Elle Evans e Lee Flynn são melhores amigos desde o nascimento, aliás, eles nasceram tanto no mesmo dia quanto na mesma hora e, para incrementar ainda mais as coincidências, as mães deles também eram melhores amigas.

Quando crianças, os dois criaram regras para protegerem a amizade, entre elas: "um amigo deve sempre perdoar o outro quando este lhe oferecer um sorvete", "um amigo não deve contar os segredo do outro", "um amigo não deve namorar o irmão do outro" e, a mais importante: "um amigo não deve quebrar a regra anterior".

Elle sempre teve uma queda pelo irmão mais velho de Lee, Noah, porém, nunca seguiu adiante não só por causa de sua amizade, mas também porque nunca se imaginou vivendo tal paixonite. Tudo muda, no entanto, quando o mais velho dos irmãos Flynn a beija numa "barraca do beijo" durante um evento beneficente da escola e ela vê-se em uma encruzilhada.

Por que valeu a pena ter assistido a The Kissing Booth?

A partir deste ponto há SPOILERS (revelação do enredo). Por tanto, se você não gosta de saber da história antes de assistir, por favor, pare aqui!

Um dos primeiro motivos foi o fato do filme fugir do clichê "amigos tornam-se namorados ao final".

No começo, é fácil acreditar que, como ambos são amigos desde pequenos, Lee e Elle devem ter "algo a mais que só amizade", porém, logo após a cena da barraca do beijo, isso é desconstruído — principalmente porque ele arruma uma namorada.

Isto nos leva ao segundo motivo: "sem friendzone".

Friendzone, ou "zona da amizade", acontece quando você vê-se apaixonado por um amigo, porém, justamente por causa dessa amizade, não consegue "ir para algo mais sério; mais íntimo". Isso não acontece no filme, pois os dois protagonistas são só amigos e ponto! Sem mais nem menos.

Não faz muito tempo, Hollywood lançou uma leva de filmes onde uma das partes vê-se preso a uma friendzone e, ao final, consegue rompê-la transformando aquela amizade em um namoro.

Em muito dessas obras, a história acaba forçada, pois quem já acabou tendo uma paixonite por um amigo sabe o quão complicado é você "ficar sofrendo por medo de estragar a amizade" — e, nas histórias, tudo parece aconter "por mágica".

Nada disso acontece em The Kissing Booth, porque Lee e Elle são somente amigos e assim pernacem do começo ao fim.

O terceiro motivo também envolve amizade: "às vezes é preciso ter coragem para ser feliz".

Ok! A minha frase ficou clichê, mas como a amizade de Elle e Lee tem como principal regra "não namorar o irmão do outro", é complicado para ela decidir em ser feliz ao lado de Noah ou continuar sendo amiga do irmão mais novo dele.

Um dos diálogos mais marcantes do filme, ao menos para mim, acontece quando Elle está em sua festa de aniversário e ela, já não aguentando mais ficar longe de Noah, diz para seu melhor amigo que, "mesmo ele sendo amigo dela, isto não lhe dava direito de dizer com quem ela deve ficar ou não e, se ele realmente fosse amigo dela, iria querer apenas sua felicidade".

Finalmente o quarto, e último motivo, foge um pouco da história e vai mais para o visual: a classificação dada pela Netflix foi a de "não recomendada a menores de 12 anos", o que deu uma certa liberdade ao filme, não o tornando apelativo, mas, também, não o deixando com cara de "High School Musical". 

Um exemplo dessa liberdade é a cena do banheiro, onde Elle provoca Noah por ele tentar dizer a ela o que fazer: Elle, sem querer, entra no banheiro masculino para se limpar e quando o irmão mais velho de seu melhor amigo tenta tirá-la de lá, ela rebela-se e faz um "show" para os garotos dentro do banheiro, mas tudo, mais uma vez, sem apelação.

Elenco

Desta vez, ao invés de apenas colocar o nome dos atores ao lado dos personagens, resolvi trazer as fotos dele e, também, uma breve biografia.

E eu não poderia começar senão pela protagonista Elle Evans ou Joey King:

Clique aqui para ir à fonte da imagem

Joey King é uma atriz nascida em 30 de de julho de 1999 na cidade de Los Angeles, no Estado da Califórnia, EUA. Começou a atuar, segundo o website IMDb (clique aqui para ir ao texto original, em inglês), quando tinha quatro anos em um comercial para cereal. Seu primeiro filme, lançado em 2006, foi Grace.

Ela também já participou de várias séries, entre elas, The Flash, como a personagem Magenta.

Depois dela, eu não poderia deixar de falar de Lee Flynn ou Joel Courtney:

Clique aqui para ir à fonte da imagem

Joel Courtney é um ator nascido em 31 de janeiro de 1996 em Monterey, California (EUA), mas criado em Moscow, Idaho, também nos EUA. Seus pais são professores de escola e ele é o caçula de quatro irmãos.

Segundo o website IMDb (clique aqui para ir à fonte original, em inglês), o primeiro teste de Courtney aconteceu quando ele foi visitar seu irmão em Los Angeles — ele tentou uma vaga em uma aventura "top-secret" de J.J. Abrams.

Por fim, porém, não menos importante, temos o "causador de toda essa briga entre amigos", Noah Lynn ou Jacob Elordi:

Clique aqui para ir à fonte da imagem

Jacob Elordi nascem em 26 de junho de 1998 e já participou de filmes como Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales e Swinging Safari.

Segundo o website Todateen (clique aqui para ir à fonte, em português), ele e Joey conheceram-se no set de filmagens de The Kissing Booth e começaram a namorar, ou seja, eles namoram tanto na ficção quanto na vida real.

Então...

The Kissing Booth, como eu já disse, é um excelente filme para ser assistido ao lado de quem se ama, pois, apesar de ser uma comédia romântica, ele não se prende aos clichês que geralmente aparecem nesse tipo de filme, assim como não é apelativo e, principalmente, chato. É um daqueles filmes para se ver em casa, juntinho, comendo pipoca...

E... isso é tudo pessoal!

Se você tem algo a mais a dizer, por favor, os comentários estão aí para isso e, claro, se você gostou desta review, por favor, compartilhe-a com seus amigos — isso ajuda não somente ao blog como, também, nos dá ânimo para trazer mais conteúdo e, principalmente, conteúdo de qualidade.

Até a próxima!

Comentários